Colágenio é fundamental para a saúde das articulações; alimentação é principal fonte

Proteger as articulações desde jovem é muito importante para chegar à idade adulta com vitalidade e disposição. Isso porque o desgaste é lento e gradual, ficando mais evidente na velhice. Ao longo do tempo, a deficiência nalguma articulação pode trazer dificuldades para se sentar e levantar, escrever, mastigar e até andar.

Para mantê-las saudáveis é preciso uma substância já bem conhecida, mas sempre associada a questões estéticas de firmeza da pele e envelhecimento: o colágenio. Essa proteína é fundamental para o funcionamento adequado da cartilagem articular (tipo especial de tecido que reveste a extremidade de dois ossos justapostos).

Problemas nas articulações podem causar dificuldades para se sentar, levantar e até andar

A cartilagem articular funciona como uma mola ou esponja, que cede água quando pressionada e volta a sua forma primitiva quando a pressão acaba. É o que permite ao joelho, por exemplo, aguentar o peso do corpo. Nesse sistema, o colágenio atua como uma malha de sustentação, retendo as demais substâncias existentes dentro da cartilagem.

 

O colágenio é a proteína mais abundante do organismo humano e apresenta-se em mais de dez tipos diferentes, com composições e funções distintas. Ele fortalece os tecidos, promove elasticidade e dá resistência à pele, aos músculos, tendões, meniscos, ligamentos, veias, vasos e artérias, além de realizar a distribuição de fluídos nos vasos sanguíneos e linfáticos.

Como podemos obter esse colagénio?

A principal fonte de colágeno vem da alimentação. “Apesar de o colágenio ser produzido normalmente pelo organismo desde que nascemos, estudos mostram que a partir dos 30 anos o corpo sofre uma perda gradual da proteína, algo em torno de 1% ao ano”.

Por isso, é preciso incluir no cardápio com frequência alimentos de origem animal, como carnes vermelhas, frango, peixes e ovos, que são a principal fonte de colágenio. Já vegetais como soja, feijão, lentilha e grão de bico, apesar de não serem fontes diretas de colágenio, são fontes de proteínas que contribuem para a formação dessa substância.

A atenção deve ser redobrada após os 50 anos. Nesta fase da vida o corpo passa a produzir, em média, apenas 35% do colágenio necessário para os órgãos de sustentação. Para as mulheres a situação é ainda mais delicada. A deficiência de estrogénio que ocorre entre 45 e 50 anos devido à menopausa ocasiona uma diminuição da quantidade de fibroblastos, as células responsáveis pela produção do colágenio. Estima-se que com a menopausa haja uma perda média anual de 2% de colágenio.

 

Posso tomar um suplemento de colagénio?

Sim! uma das formas de suplementar o colagénio em falta é através de suplementos alimentares adequados.